Search
  • olimpiadas4

Porque alguns estudiosos criticam tanto a influência de Paulo Freire na educação?

Updated: Sep 5, 2019

Na sua opinião, ele foi importante ou não para o nosso sistema de educação?

Conforme: Valnei Francisco de França, estudou Ciências sociais & História em Universidade Federal do Paraná (1990).

Paulo Freire é um importante pedagogo para o Mundo. Desde as discussões das Reformas de Base, no final dos anos 50, até hoje, o pensamento de Paulo Freire é produtivo. Quem deixa ao lado os ranços ideológicos criados durante o período ditatorial pode visualizar a grandeza deste professor. Quando lhe perguntaram “se o computador seria importante para a Escola”, ele respondeu “importante para quem”, “quem seria o principal beneficiário deste equipamento”. Ora, ainda hoje esta relação computador x escola causa discussões, não se chegou a um denominador comum. O que ele não pode é apenas ser um produto a mais para se enfiar na escola e satisfazer a necessidade de um mercado emergente. Produzir computador precisa ter um comprador. Há a necessidade de criar a necessidade de ter um computador. A coisa no Brasil é tão confusa que o famoso videocassete teve o mesmo tratamento. Muita produção e a necessidade de compra do produto. Alguns diziam que o videocassete estava vinda para substituir o professor, outros, depois diziam que o computador estava vinda para substituir o professor. Ou seja, a questão pedagógica em sala de aula ainda não está clara. É aí que é direcionada a resposta de Paulo Freire, “o computador servirá para quem”? É o professor, que para dar uma aula boa precisa de um computador? Parece simples, mas é só circular pelos salas dos professores que acabamos ouvindo o retorno desta questão, é um eterno Hamlet “ser ou não ser, esta é a questão”.

Quem não gosta do Paulo Freire, provavelmente, se sente ofendido quando ele diz que “o oprimido introjetou o opressor em si”, por isso que ele tende a pensar como dominador e é apenas um dominado e reprodutor desta dominação. Ele pensou em transformar a base social e isto deu medo, a incorporação de milhões de analfabetos no sistema eleitora determinaria uma mudança radical nas relações de poder.

Pense, quem (qual professor) na década de 60 se considerava igual ao aluno em importância??? Neste período eu fui alfabetizado pelo método da “palmatória” numa classe multisseriada.

Paulo Freira paga o ônus de pensar uma alternativa para a sociedade brasileira. Ele nunca foi comunista, assim como o Papa. São seres humanos que acreditam que os seres humanos podem se relacionar como seres humanos.

Sugestão de leituras sobre educação

APPLE, M.W. Educação e Poder; tradução de Maria Cristina Monteiro. PortoAlegre: Artes Médicas, 2002.

DUBET, F. Quando o sociólogo quer saber o que é ser professor. (Entrevistaconcedida à Angelina Peralva e Marília Sposito). Revista Brasileira de Educação, mai/jun/jul/ago, set/out/nov/dez, n.5 e 6, 1997.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez. 1993.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

FONSECA, S. G. Caminhos da história ensinada. Campinas, SP: Papirus, 2003. Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico).

__________. Didática e prática de ensino de história: Experiências, reflexões e aprendizados. Campinas, SP: Papirus, 2004. (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico.

FURQUIM, J-C. Saberes escolares, imperativos didáticos e dinâmicas sociais. Revista Teoria e Educação, n.5, 1992.

HELLER, A. Sociologia de la vida cotidiana. Barcelona: Ediciones Península, 1994.

KOSIK, K. Dialética do concreto; tradução de Célia Neves e Alderico Toríbio, 7ªedição. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 2002.

OLIVEIRA, M. (org.). As ciências sociais no Paraná. Curitiba: Protesto, 2006.

SAUL, A. M. (org.). Paulo Freire e a formação de educadores: múltiplos olhares. São Paulo: Editora Articulação Universidade/Escola, 2001.

ESCOLA SEM PARTIDO. Disponível em:</www.app.com.br/portalapp/noticia_conteudo.php?id=1610> Acesso 21/04/2009.

VEIGA, C. G. A escolarização como projeto de civilização. Revista Brasileira de Educação. [online]. 2002, n.21, pp. 90-103. ISSN 1413-2478. doi: 10.1590/S1413-24782002000300008. Disponível em: < Scientific Electronic Library Online24782002000300008&script=sci_arttext> Acesso em 30/06/2009.

WILLIAMS, R. Cultura. Tradução Lélio Lourenço de Oliveira. Rio de Janeiro : Paz e Terra, 1992.

SUPERTI, E. O positivismo de Augusto Comte e seu projeto político. Hórus -Revista de Humanidades e Ciências Sociais Aplicadas. Ano 1, nº 1, novembro de2003. Disponível em: <http://www.faeso.edu.br/horus/ar...> Acesso 19/11/2008.

SOUZA, R. F. Cultura literária e/ou científica? As disputas pelo currículo do ensino secundário no Brasil (1948-1971). Atas do VII Congresso Lusobrasileiro de História da Educação – Cultura Escolar Migrações e Cidadania. Porto, 2008. Disponível em: <http://74.125.47.132/search?q=ca...rabalhos_finais/eixo2/IB1777.pdf+dubet+%22educa%C3%A7%C3%A3o+republicana%22&cd=3&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br> Acesso 30/07/2009.

SILVA, L. G. A ordem e Revista Brasileira de Pedagogia (R.B.P.): reflexões sobre o debate educacional católico e as relações família e educação na sociedade brasileira no período de 1930 a 1938. Anais do VI Congresso Luso-Brasileiro de História da Educação - Universidade Federal de Urbelândia. UrbeLândia, 2006b. Disponível em: <http://www.faced.ufu.br/colubhe0...> Acesso 26/09/2008b.

SILVA, E. M. de P. A tecnologia, suas estratégias, suas trajetórias. Cienc. Cult. [online]. 2008, v. 60, n. spe1, pp. 13-21. ISSN 0009-6725. Disponível em:<Scientific Electronic Library Online 67252008000500004&script=sci_arttext> Acesso 30/06/2009.

NAGEL, L. H. Educação via Banco Mundial: Imposição ou servidão necessária? 2001. Disponível em: <http://www.pde.pr.gov.br/arquivo...dao.pdf> Acesso 31/07/2009.

MONTEIRO, R. M. Civilização e cultura: paradigmas da nacionalidade. Cad. CEDES [online]. 2000, v. 20, n. 51, pp. 50-65. ISSN 0101-3262. doi: 10.1590/S0101-32622000000200004. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ccedes/...> Acesso 30/11/2008.

MATOS, A. S. Pequena história da escola dominical. Artigo on-line. Acessível em < http://www4.mackenzie.br/6980.98...> Acesso 30/06/2009.

LEMOS, R. L. C. N. Benjamin Constant: Biografia e Explicação Histórica.

Revista Estudos Históricos do CPDOC_FGV, n. 19, Rio de Janeiro, 1997.

HELLER, A. Estrutura da vida cotidiana. O cotidiano e a História. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

FORQUIN, J. Escola e Cultura: as bases sociais e epistemológicas do conhecimento escolar. Tradução de Guaraci Lopes Louro. Editora Artes Médicas Sul. Porto Alegre, 1993.

FERREIRA, L. H. Os mecanismos de controle de organização capitalista contemporânea na gestão escolar pública paranaense (1995-2002). Dissertação (Mestrado em Educação), Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2006.

FARIA, N. Teorias educacionais (a escolástica, o capital humano, a reprodução e a deescolarização). Artigo on-line. Disponível em: <http://74.125.47.132/search?q=ca...d/TEORIAS.doc+educa%C3%A7%C3%A3o+escol%C3%A1stica&cd=4&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br> Acesso 30/06/2009.

DUBET, F. e MARTUCDELLI, D. Em la escuela – Sociologia de la experiência escolar. Tradução: Eduardo G. Kieffer. 1ª edição, 1998.

CUNHA, L. A.; GÓES, M. O golpe na educação. 4ª edição. Rio de Janeiro : Zahar, 1985.

CHARLOT, B. Da relação com o saber – elementos para uma teoria. Tradução Bruno Magne. Editora Artmed. Porto alegre, 2000.

CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria e Educação, Teoria e Educação, Porto alegre, v.2, p.177-229, 1990.

CHEVALLARD, Y. La transposición didáctica – Del saber sabido al saber enseñado. Tradución; Claudia Gilman. Buenos Aires: Aique, 1991.

CARVALHO, M. C. B. Cotidiano: conhecimento e crítica. 7ª edição. Editora Cortez. São Paulo, 2007.

BOTELHO, Tarcísio Rodrigues. A família na obra de Frédéric Le Play. Dados [online]. 2002, vol.45, n.3, pp. 513-544. ISSN 0011-5258. doi: 10.1590/S0011-52582002000300007. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?...52582002000300007>. Acesso em 30/09/2009.

CARRIKER, T. C. Novas Paradigmas para a Educação Teológica no Brasil. Artigo on-line. Disponível em: <74.125.93.132/search?q=cache:fZfFVd296NIJ:missao.info/wpcontent/uploads/2007/11/novas-paradigmas-para-a-educacaoteologica.pdf+%22ESCOLAS+DOMINICAIS%22+cr%C3%ADtica&cd=20&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=BR> Acesso em 30/06/2009.

ou a disssertação

O "entorno" da transposição didática da disciplina de sociologia no ensino médio do Paraná : "a construção de seu universo gravitacional"

 França, Valnei Francisco de (2009)


Para Diego Chaves, Analista de Sistemas e Desenvolvedor Java

Sim, na minha opinião o Paulo Freire não só foi como ainda é importante para nosso sistema de educação, principalmente aqui na cidade de São Paulo onde ele foi secretário e ajudou a botar ordem na bagunça, criando um plano de carreira docente, o que por si só permite que até hoje muitos bons profissionais sejam atraídos até mesmo de escolas particulares.

Muitos dos escritos dele sobre valorização docente e a importância da escola pública são ainda referência e também algumas das pesquisas conduzidas ou orientadas por ele sobre tais temas enquanto foi professor da PUC-SP nos anos 1980 ainda hoje circulam nos cursos de pedagogia.

Também as reflexões e metodologias sobre alfabetização de adultos ainda hoje são a base das disciplinas de EJA, bem como reflexões de vários cursos de alfabetização e didática por aí.

Então, das contribuições de Paulo Freire à educação brasileira que são válidas até hoje devo destacar:

Diferença entre autoridade e autoritarismo :

Professor é uma autoridade legítima quando sabe do que está falando e também como falar com o estudante, caso contrário ele não terá moral para praticar a profissão e os estudantes ao perceberem isso não irão legitimá-lo como autoridade, levando o sujeito a lançar mão de castigos e punições para ser respeitado, ou seja, agindo autoritariamente.

O professor é um profissional

Uma parte das pessoas acreditam que professor deve dar aulas por amor e se conformar com os baixos salários, para Freire o professor deve ser profissionalizado. Tanto quanto outro profissional com curso superior, o professor é alguém que tem um esforço muito grande pra se formar, então um salário tão inferior ao de outras profissões afasta as pessoas mais capazes da carreira docente. Da mesma maneira, o professor precisa tomar consciência do seu valor, para não baixar a cabeça para condições degradantes que não permitam ele realizar sua função de maneira adequada.

O professor está em constante formação