top of page

Pontos importantes a serem discutidos sobre o Novo Ensino Médio

O novo ensino médio representa uma oportunidade para repensarmos a forma como educamos nossos jovens.

O Novo Ensino Médio é uma reforma educacional que visa atualizar e modernizar o currículo e as práticas pedagógicas dessa etapa da educação básica no Brasil. A proposta foi aprovada em 2017, com a aprovação da Lei nº 13.415, e prevê a flexibilização do currículo, a ampliação da carga horária e a oferta de itinerários formativos.


Entre os pontos importantes a serem discutidos sobre o Novo Ensino Médio, destacam-se:


1. Flexibilização curricular: a partir da reforma, as escolas têm mais liberdade para definir os conteúdos e as disciplinas que serão ministradas, podendo oferecer diferentes ênfases ou áreas de concentração. A ideia é que os estudantes possam escolher os itinerários formativos que mais se adequem aos seus interesses e objetivos.


A flexibilização curricular é um dos principais pontos do novo Ensino Médio no Brasil. Ela permite que os estudantes tenham mais autonomia na escolha de disciplinas que desejam estudar, dando a possibilidade de escolher áreas de interesse e personalizar o próprio currículo. Essa mudança é uma tentativa de tornar o Ensino Médio mais atrativo e adequado às necessidades dos jovens, além de oferecer uma educação mais conectada com o mundo contemporâneo.

A reforma curricular estabelece que o Ensino Médio deve ser dividido em duas partes: a formação básica e a formação específica. A formação básica será composta por disciplinas obrigatórias, como Português, Matemática, Inglês, História, Geografia, Química, Física e Biologia. Já a formação específica será dividida em cinco áreas: Linguagens, Matemática, Ciências da Natureza, Ciências Humanas e Ensino Técnico. Essas áreas são compostas por disciplinas opcionais e devem ser escolhidas pelos estudantes de acordo com as suas preferências e interesses.

A flexibilização curricular tem como objetivo principal a adequação do Ensino Médio às necessidades dos estudantes, permitindo que cada um escolha disciplinas que estejam relacionadas com as suas expectativas, projetos de vida e habilidades. Ela também busca estimular a aprendizagem por meio de projetos e atividades práticas, integrando o conhecimento teórico com o mundo real.

Além disso, a flexibilização curricular do novo Ensino Médio busca aproximar a escola do mercado de trabalho, oferecendo aos estudantes a possibilidade de escolher disciplinas que estejam relacionadas com as suas futuras profissões. Essa mudança tem como objetivo tornar a educação mais prática e aplicada, possibilitando aos jovens um melhor preparo para o mundo do trabalho.

Outra importante mudança trazida pela flexibilização curricular é a possibilidade de ingresso no Ensino Superior antes mesmo do término do Ensino Médio. A reforma curricular prevê que os estudantes que concluírem a formação específica poderão obter um certificado profissionalizante e ingressar no mercado de trabalho ou na educação superior.

Para que a flexibilização curricular seja implementada com sucesso, é necessário que as escolas estejam preparadas para oferecer um ambiente educacional que seja desafiador, estimulante e diversificado. É fundamental que os professores estejam capacitados para lidar com essa nova realidade, preparando atividades que sejam atraentes e interessantes para os estudantes.

Além disso, é importante que as escolas criem espaços que possam ser utilizados pelos alunos para desenvolverem projetos e atividades práticas, além de disponibilizarem materiais e equipamentos adequados para as disciplinas optativas. O uso da tecnologia também é fundamental nesse processo, oferecendo aos estudantes ferramentas que possam ser utilizadas para a pesquisa e a produção de conteúdo.

A flexibilização curricular do novo Ensino Médio é uma mudança necessária para tornar a educação mais adequada às necessidades dos estudantes. Ela oferece aos jovens a possibilidade de escolher disciplinas que estejam relacionadas com os seus interesses e projetos de vida.


2. Ampliação da carga horária: o Novo Ensino Médio prevê uma carga horária mínima de 1.800 horas anuais, distribuídas em, no mínimo, 200 dias letivos. Com isso, espera-se aumentar a quantidade de tempo dedicado ao aprendizado e oferecer mais oportunidades para atividades extracurriculares, projetos e estudos autônomos.


Anteriormente, a carga horária mínima para o ensino médio era de 800 horas por ano, distribuídas em, no mínimo, 200 dias letivos. Com o novo ensino médio, essa carga horária mínima foi ampliada para 1.000 horas por ano, distribuídas em, no mínimo, 200 dias letivos.

Essa ampliação da carga horária tem como objetivo garantir que os estudantes tenham uma formação mais completa e estejam mais preparados para ingressar no ensino superior ou no mercado de trabalho. Além disso, a ampliação também possibilita que as escolas ofereçam mais atividades extracurriculares, como projetos de pesquisa, atividades culturais, esportivas e de lazer, contribuindo para a formação integral dos estudantes.

No entanto, essa ampliação da carga horária também traz desafios para as escolas e professores. É preciso repensar a organização do currículo e das atividades para que a carga horária seja aproveitada da melhor forma possível, evitando atividades repetitivas e pouco produtivas.

Outra questão importante é garantir que a ampliação da carga horária seja acompanhada de uma melhoria na qualidade do ensino. Apenas ampliar a carga horária não é suficiente para garantir uma formação de qualidade, é preciso investir em formação de professores, infraestrutura adequada, recursos pedagógicos e tecnológicos, entre outros aspectos.

Além disso, a ampliação da carga horária também pode trazer impactos na vida dos estudantes, como o aumento do tempo dedicado aos estudos e a redução do tempo livre para atividades extracurriculares e lazer. Por isso, é importante que a escola e a família trabalhem em conjunto para garantir um equilíbrio entre as atividades escolares e as demais atividades da vida dos estudantes.

A ampliação da carga horária do novo ensino médio é uma mudança importante e necessária para garantir uma formação mais completa e integral para os estudantes. No entanto, é preciso garantir que essa ampliação seja acompanhada de uma melhoria na qualidade do ensino e que seja implementada de forma a garantir um equilíbrio entre as atividades escolares e as demais atividades da vida dos estudantes.


3. Itinerários formativos: o Novo Ensino Médio propõe a oferta de diferentes itinerários formativos, que podem ser escolhidos pelos estudantes de acordo com suas preferências e objetivos. São eles: linguagens e suas tecnologias; matemática e suas tecnologias; ciências da natureza e suas tecnologias; ciências humanas e sociais aplicadas; e formação técnica e profissional.


Os itinerários formativos, que visam proporcionar aos estudantes uma maior flexibilidade na escolha de seu percurso de aprendizagem, bem como ampliar suas possibilidades de inserção no mundo do trabalho. Os itinerários formativos são componentes curriculares que se somam à Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e que têm por objetivo aprofundar e diversificar o conhecimento dos estudantes em áreas específicas. São eles:


  • Linguagens e suas Tecnologias;

  • Matemática e suas Tecnologias;

  • Ciências da Natureza e suas Tecnologias;

  • Ciências Humanas e Sociais Aplicadas;

  • Formação Técnica e Profissional.


Cada um desses itinerários formativos possui um conjunto específico de componentes curriculares que os estudantes deverão cursar, a fim de obter a certificação do Ensino Médio. O objetivo é que, ao final do processo, o estudante tenha desenvolvido competências e habilidades em áreas que possam contribuir para sua formação integral e seu projeto de vida.

A ampliação dos itinerários formativos do Novo Ensino Médio é uma iniciativa que visa atender às demandas do mundo do trabalho, bem como ampliar as possibilidades de inserção dos estudantes no mercado. Além disso, busca-se oferecer uma educação mais diversificada, que atenda às demandas dos estudantes e da sociedade como um todo.

Com os itinerários formativos, os estudantes poderão escolher caminhos de formação que estejam mais alinhados com suas aptidões, interesses e projetos de vida. Isso trará um impacto significativo na qualidade da aprendizagem, pois os estudantes estarão mais motivados e engajados, já que estarão estudando temas que lhes são relevantes e que estão mais próximos de sua realidade.

Outro ponto importante é que os itinerários formativos são uma maneira de as escolas se aproximarem da realidade dos estudantes, tornando o processo de ensino e aprendizagem mais conectado com a vida cotidiana. Os itinerários possibilitam a construção de projetos de aprendizagem que atendam às necessidades e demandas da sociedade, bem como a formação de estudantes mais críticos e reflexivos.

Vale destacar que os itinerários formativos não são um fim em si mesmos. Eles devem estar articulados à BNCC e às competências e habilidades previstas para cada uma das áreas do conhecimento. Isso significa que os estudantes deverão cursar componentes curriculares da BNCC, além dos componentes específicos de cada itinerário.

O Novo Ensino Médio, com sua flexibilidade curricular e ampliação dos itinerários formativos, representa uma oportunidade para as escolas brasileiras repensarem sua prática pedagógica e se aproximarem mais dos estudantes e da realidade em que estão inseridos. É uma chance de oferecer uma educação mais significativa e conectada com as demandas do mundo contemporâneo.


4. Formação técnica e profissional: o Novo Ensino Médio prevê uma maior integração entre a educação básica e a formação técnica e profissional. Os estudantes poderão optar por itinerários que incluam disciplinas e atividades voltadas para a formação em áreas específicas, como administração, informática, agropecuária, entre outras.


Com o novo ensino médio, a formação técnica e profissional passou a ser obrigatória em todas as escolas de ensino médio, públicas e privadas. A partir da terceira série do ensino médio, os estudantes devem escolher uma das seguintes modalidades de formação técnica e profissional: formação técnica profissional, formação profissional ou formação técnica profissional e formação superior.

A formação técnica profissional é ofertada em escolas públicas e privadas e tem como objetivo preparar o estudante para o mercado de trabalho em uma área específica, como administração, informática, enfermagem, entre outras. A formação profissional, por sua vez, é oferecida por meio de cursos técnicos profissionalizantes, em instituições públicas e privadas, que não necessariamente estão integrados ao ensino médio.

Já a formação técnica profissional e formação superior é uma opção para estudantes que desejam se formar em um curso técnico e continuar seus estudos em uma instituição de ensino superior. Essa modalidade é oferecida por meio de cursos integrados, que permitem ao estudante obter a formação técnica e o diploma de graduação em um período mais curto de tempo.


5. Novas metodologias de ensino: o Novo Ensino Médio incentiva a adoção de metodologias mais ativas e participativas, que valorizem o protagonismo dos estudantes e estimulem a resolução de problemas, o trabalho em equipe e a criatividade.


Dentre as metodologias que têm sido utilizadas no novo ensino médio, destacam-se:

  1. Aprendizagem por projetos: nessa metodologia, os alunos são desafiados a resolver um problema real, construindo conhecimento na prática. Eles têm um papel ativo na definição dos objetivos e na busca das soluções, trabalhando em grupo e tendo o professor como orientador.

  2. Aprendizagem baseada em problemas: semelhante à metodologia anterior, nessa abordagem os alunos são desafiados a resolver um problema específico, mas nesse caso a solução é guiada pelo professor, que conduz os alunos a pensar e buscar soluções.

  3. Sala de aula invertida: essa metodologia inverte o papel da sala de aula tradicional, em que o professor apresenta o conteúdo em sala de aula e os alunos realizam as atividades em casa. Na sala de aula invertida, os alunos recebem o conteúdo previamente por meio de vídeos ou textos e utilizam o tempo em sala de aula para esclarecer dúvidas, discutir e realizar atividades práticas.

  4. Gamificação: essa metodologia utiliza elementos de jogos para engajar e motivar os alunos na aprendizagem. Os professores criam atividades com desafios, recompensas e competições, incentivando a participação e a colaboração dos alunos.


6. Avaliação: a proposta prevê mudanças na forma como os estudantes são avaliados, com maior ênfase na avaliação formativa, que busca identificar as dificuldades e progressos dos estudantes ao longo do processo de aprendizagem. Também é prevista a adoção de novos instrumentos de avaliação, como o portfólio e as provas por desempenho.


A proposta é que a avaliação seja mais formativa e menos somativa, ou seja, que a avaliação seja vista como um processo contínuo e não apenas como uma medida final do aprendizado do aluno.

Dessa forma, a avaliação no novo ensino médio deve levar em conta não apenas o conhecimento adquirido pelos alunos, mas também as habilidades e competências desenvolvidas ao longo do processo de aprendizagem. Além disso, a avaliação deve ser utilizada como um instrumento de feedback para o aluno, de forma a auxiliá-lo no seu processo de aprendizagem.

Entre as formas de avaliação propostas pelo novo ensino médio, destacam-se:

  1. Avaliação por competências: essa forma de avaliação tem como foco as habilidades e competências desenvolvidas pelo aluno ao longo do processo de aprendizagem, e não apenas o conhecimento adquirido. Dessa forma, o aluno é avaliado em relação à sua capacidade de aplicar o conhecimento em situações práticas e na resolução de problemas.

  2. Portfólio: o portfólio é uma pasta que reúne trabalhos e atividades realizadas pelo aluno ao longo do ano letivo. Essa forma de avaliação permite ao aluno refletir sobre o seu próprio processo de aprendizagem e mostrar a evolução do seu trabalho ao longo do tempo.

  3. Projetos: os projetos são atividades que envolvem a realização de uma pesquisa ou a resolução de um problema prático. Essa forma de avaliação permite avaliar não apenas o conhecimento adquirido pelo aluno, mas também a sua capacidade de trabalhar em equipe, de planejar e executar um projeto, e de apresentar os resultados de forma clara e objetiva.

  4. Avaliação por feedback: essa forma de avaliação consiste em dar um retorno constante ao aluno sobre o seu desempenho ao longo do processo de aprendizagem. O feedback pode ser dado de forma oral ou escrita, e deve ser utilizado como um instrumento para auxiliar o aluno no seu processo de aprendizagem.

As formas de avaliação propostas pelo novo ensino médio têm como objetivo tornar a avaliação mais formativa e menos somativa, permitindo ao aluno refletir sobre o seu próprio processo de aprendizagem e auxiliando-o a desenvolver habilidades e competências importantes para a sua formação como cidadão.


Em resumo, o Novo Ensino Médio representa uma mudança significativa na forma como essa etapa da educação básica é concebida e conduzida no Brasil. A proposta visa tornar o ensino mais dinâmico, flexível e conectado com as demandas da sociedade contemporânea, oferecendo aos estudantes mais oportunidades de escolha e autonomia em sua formação. No entanto, é importante que a implementação da reforma seja acompanhada de investimentos em infraestrutura, formação de professores e recursos pedagógicos, para garantir a efetividade.




10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comentarios


bottom of page